Monday, November 23, 2009

Para Ti

Sinto fortuna nos meus braços
ter-te , foi outrora uma miragem
De forma pungente, passagem
tão longe de mim nestes Paços
.
Repouso agora em teus lábios
Carne de rubra uva
Outono de sol carpido, chuva
Vertigem de medos sábios
.
O amor vem devagar ( divagar )
paras , vens , voltas e vais
tão solta , livre , vento nos Estais
pela noite sem Ti apenas sonhar
.
Quando junto de Ti for Tu na ( tea for two)
fortuna
.
Reclamam os Deuses desse teu berço
onde anseio minha boca
pedaço esguio de morte pouca
que nele repouso , amo , padeço
.
amo-te baixinho
à varanda da minha alma
nos silêncios semeio beijos ( tributos )
reflexos
teus olhos claros ( para mim )
convexos

3 comments:

Telmo said...

Gosto sempre de ler os teus poemas, tens uma forma muito própria de escrever com as palavras muito bem utilizadas para os escrever, neste senti um cheiro de paixão no ar, grande abraço e bom fim de semana..

Isa said...

está tão bonito! Muitos parabéns por esta arte de Poeta que vagueia no teu coração como borrifando sinceridade, paz , amor... a todo o mundo Liberdade e equilíbrio .

Um beijo

Estrelinha Solitária said...

Adorei!
Sobretudo na parte do "amo-te baixinho.
Virei mais vezes visitar-te.
Até lá :-)